quarta-feira, 8 de novembro de 2017

São os raios de sol, pureza da terra, em esplendor

Imagem relacionada
Sendo única, em cumplicidade com a terra agreste
Destacada pela fresta, secura estrema, da natureza
Mesmo sendo tratada com gentileza, flor silvestre 
Não deixa de causar dor profunda, qual estranheza
.
São os raios de sol, pureza da terra, em esplendor 
É a chuva, tão desejada, que teima em não chegar
São as pétalas de flor, fonte de vida, mas castrador
Num ermo, onde não existe humidade. Triste olhar
.
São as fissuras a causa de tanta ansiedade humana 
É a água, o desejo, em oração sentida. Necessidade
Das fortes chuvadas em ermos que um olhar emana 
.
Sendo única em iminência, com partículas de secura
Beleza tão desejada, como a chuva, com assiduidade
Deixando a humanidade deprimente e na amargura.
****
Cidália Ferreira 

34 comentários:

  1. Poema fascinante, que inunda a minha alma de admiração pela forma brilhante com que são feitos os teus poemas, Cidália Ferreira. Admirável a tua pureza de sentimentos

    Beijo

    ResponderEliminar
  2. Bom dia
    Que dizer deste estupendo poema? Fiquei encantada tanto com a imagem como, com as palavras do poema. Adorei.

    No nosso blogue, por lapso meu, saíram dois temas, caso pretenda ler os dois. Pedimos desculpas.

    Bjos
    Boa Quarta-feira

    ResponderEliminar
  3. Cidália,essa secura existe também aqui e precisamos sempre a chuva em abundância para umedecer as terras do agreste.
    Lindo poema.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  4. Como eu gosto e preciso dos raios de sol. Adorei o texto.

    ResponderEliminar
  5. Belo soneto, cara amiga Cidália, dentro de uma tema que te é peculiar: a natureza. Paixão e natureza são o elementos fortes da tua poesia. Um abração daqui do sul do Brasil. Tenhas uma linda tarde.

    ResponderEliminar
  6. Um soneto que é uma prece.
    Bem conseguido!
    beijinhos
    :)

    ResponderEliminar
  7. Um poema belíssimo... e que de facto não poderia ser mais actual... pois a chuva no nosso país, teima em não surgir... o que já é deveras preocupante!...
    Adorei cada palavra! Beijinho! Continuação de uma boa semana!
    Ana

    ResponderEliminar
  8. Um poema bem "poderoso"!

    Beijo, Cidália Ferreira.

    ResponderEliminar
  9. Uma bela verdade em forma poética que merece ser lida!bj

    ResponderEliminar
  10. Um poema muito atual, que retrata de forma magistral, o drama da seca.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  11. Olá Cidália,
    Chuva em demasia ninguém gosta,
    mas a falta dela causa secura e tristeza.
    Que haja chuva nessa terra ressequida....
    Beijos!

    ResponderEliminar
  12. Muito real e atual sua poesia,Cidália.

    A falta de chuva traz tantos problemas como o excesso.

    Aqui no Brasil,o nordestino sofre demais com a aridez da terra.

    Beijos sabor carinho e uma noite de paz profunda

    Donetzka

    Blog Magia de Donetzka

    ResponderEliminar
  13. Cidália que lindo o poema bastante profundo que toca, a chuva causa muitas tristezas mas também ela trás alegria Cidália bjs.
    http://www.lucimarmoreira.com/

    ResponderEliminar
  14. Olá, Cidália!
    Gostei deste teu belo soneto. Parabéns.
    Boa continuação da semana.
    Um beijo. Pedro

    ResponderEliminar
  15. bonito poema´
    https://retromaggie.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  16. Mais um bonito poema que vim conhecer!


    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  17. Retrata bem o problema atual, precisamos de toda a beleza da natureza em harmonia. Beijinhos :)

    ResponderEliminar
  18. mt bonito como sempre como tu sabes escrever parabens bjs

    ResponderEliminar
  19. Tus ultimas entradas reflejan a la perfección lo que estamos pareciendo.
    Por aquí llegaron aunque escasas las primeras lluvias y nieves a las montañas.

    Saludos.

    ResponderEliminar
  20. A seca é um flagelo.
    Mas há plantas que vão sobrevivendo...
    Magnífico poema, parabéns.
    Bom resto de semana, amiga Cidália.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  21. Uma bela e verdadeira poesia amiga Cidália. a vida nos deixam marcas. São as fissuras ou cicatrizes. Abraços

    ResponderEliminar
  22. Olá, estimada Cidália!

    Muito grata por lhe ter apetecido vir até ao meu blogue. Martinho O S. Martinho comemora-se no próximo sábado, mas não o festejo, embora tenha um bonito significado histórico.

    O seu soneto está mto rico em vocabulário e sobretudo na temática abordada. Gosto de chuva, mas em casa.

    Beijos e bom final de semana.

    ResponderEliminar
  23. Verdadeiras frases num poema magnífico que gostei muito.
    A secura é um flagelo,precisamos de chuva amiga
    Bjs

    ResponderEliminar
  24. Hoje a natureza foi o mote para mais um belo poema.

    Beijinhos Cidália

    ResponderEliminar
  25. Um poema que retrata de modo bonito e delicado uma realidade preocupante, são sinais não do tempo mas da humanidade.
    Que a chuva tão necessária chegue em breve!
    Bom final de semana, um grande beijinho.

    ResponderEliminar
  26. Sublime!
    Poema inspirado numa realidade atroz que consome o nosso país! Teu coração não ficou indiferente e inspiraste te fabulosamente!
    ADOREI!
    Um abraço grande amiga

    ResponderEliminar
  27. Mais uma obra prima sua
    Lindo parabens. Bjs

    ResponderEliminar
  28. Boa noite!
    Como de costume, estou aqui com o convite no 9º Poetizando e Encantando.
    A imagem para a temática, está muito deliciosa! Com certeza seu poetar vai ser maravilhoso!
    Uma dica! Na imagem tem algo que no PORTO se fabrica e é delicioso!
    O que será!!!
    Amanhã logo cedo postarei.

    Tenha uma noite de paz e que todas as manhãs
    você desperte com vontade de viver... E que nunca,
    de maneira alguma lhe falte FÉ para recomeçar
    um novo dia.
    Abraços, seja feliz!

    ResponderEliminar
  29. Como precisamos que a chuva chegue minha amiga.
    Magnifico soneto.
    Beijinhos
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderEliminar

A vossa visita e comentário são o elixir do meu coração...Muito obrigada...