quinta-feira, 9 de maio de 2019

Quantas vezes me culpo pela chuva que cai

O dia nasce em silêncio, da alma acordada
As vozes se acalmam dando lugar ao vazio
Dum banco, onde a reflexão nasce do nada
E vai para além do horizonte e do meu frio
*
Ouço no meu silêncio as palavras já ditas
Silencio minha voz por cautos momentos
Divagam as minha emoções, e tão aflitas
Vêem as nuvens passarem entre lamentos
*
Quantas vezes apelo à voz do meu silêncio
Quantas vezes me culpo pela chuva que cai
Quantas vezes, me deparo, nas tempestades
*
O dia nasce e termina, jamais me distancio
Apenas sinto, que meu sentimento se esvai
Mesmo neste silêncio, supero, dificuldades
****
Cidália Ferreira 

35 comentários:

  1. Chuva, silêncio e capacidade de superar... Linda inspiração ! beijos, chica

    ResponderEliminar
  2. Um poema lindo para ler ao som da chuva, que é aqui o caso! :) Beijinhos
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
  3. Superar as dificuldades! Término do poema com forte esperança... A vida é mesmo um desafio enorme. Com Deus, vencemos os conflitos com muita garra e fibra...
    Boa noite... Abç

    ResponderEliminar
  4. Oi Cidália
    Uma súplica linda
    Adorei
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  5. Cidália!
    Que mais belo dia com versos inspirados.
    Parabéns!
    cheirinhos
    Rudy
    https://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com/2019/05/divulgacao-cultural-38-80-poetizando-e.html

    ResponderEliminar
  6. Se fosse entrar nessa onda depressiva, com tantos dias sem ver sol, já tinha dado em doido.
    Beijo

    ResponderEliminar
  7. Olá, Cidália!
    Mais um soneto, minha amiga poetisa, com belos versos:

    Quantas vezes apelo à voz do meu silêncio
    Quantas vezes me culpo pela chuva que cai
    Quantas vezes, me deparo, nas tempestades


    Uma ótima semana, Cidália.
    Beijo.
    Pedro

    ResponderEliminar
  8. Melancolia no seu poema que se gosta de ler... Bj

    ResponderEliminar
  9. Mais um poema melancólico mas belo. Adorei :))
    Hoje :-As estradas são como os sentimentos, inconstantes

    Bjos
    Votos de uma óptima Quarta - Feira

    ResponderEliminar
  10. Um belo e melancólico poema de que gostei bastante.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
  11. Às vezes, apetece fugir... mas temos que continuar a viver....lutar pelo Sol...
    Obrigada pela visita
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  12. Cara Cidália, um lindo poema de "inverno" onde também de vez em quando o sol brilha,
    a vida tem altos e baixos, a luta merece respeito!
    vivemos todas as emoções que nos permite a vida
    abracinhos
    deixo o link da minha participação no Poetizando
    Bela homenagem ao trabalho de inspiração da Lourdes, que tanto merece :)
    Verena, foi um bom texto, esse músico cheio de charme, é muito apreciado :)
    assim seja a nossa vida, com muitos acordes e amizade,
    beijinhos
    Angela
    https://poesiesenportugais.blogspot.com/

    ResponderEliminar

  13. Não se nasce do nada,
    não será só pensamento meu
    gostei do que li em cada palavra
    do belo poema que escreveu!

    Tenha um bom dia cara amiga poetisa Cidália Ferreira. Bjs.

    ResponderEliminar
  14. Este um daqueles lugares onde já tinha muita saudade de regressar; o seu blog Cidália.
    Parabéns, a sensibilidade continua apurada.

    PS - Lamento a forçada ausência, aos poucos vou tentando retomar e chegar aos blogues que sigo.
    😉 Beijo

    Olhar D'Ouro - bLoG
    Olhar D'Ouro - fAcEbOOk
    Olhar D'Ouro – yOutUbE * Visitem & subcrevam

    ResponderEliminar
  15. Silêncio, reflexão e muita emoção neste bonito poema

    Acreditemos que o sol vai brilhar.

    Beijinhos Cidália

    ResponderEliminar
  16. Adorei seu esse seu artigo, realmente é um dos melhores blog que estou visitando. Suas postagens são excelente! Parabéns!

    Já até salvei em meus favoritos..

    Meu Blog: Resultado Loterias Estaduais

    ResponderEliminar
  17. Um poema recheado de muita emoção, uma linda inspiração Cidália bjs.
    http://www.lucimarmoreira.com/

    ResponderEliminar
  18. Lindo poema
    Adorei ler este poema
    Bjs

    Kique

    Hoje em Caminhos Percorridos - SEXO COM CULTURA

    ResponderEliminar
  19. Bonito.
    É para isso que existem dificuldades, para serem superadas.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  20. Excelente e nostálgico poema!
    Soberbamente construído e sente-se ao longo da leitura a melancolia nas emoções.
    A imagem é divina e perfeita para o poema!

    Abraço!

    ResponderEliminar
  21. Por vezes sentimos culpa por coisas ou acontecimentos que não provocamos...
    O teu soneto é magnífico, gostei imenso.
    Cidália, continuação de boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  22. Sentir culpa por algo que não provocamos traz uma dor imensa, compungida que fere o coração
    Poema fabuloso amiga Cidália
    Beijos

    ResponderEliminar
  23. Mais um maravilhoso poema, Cidália
    Te desejo um Feliz Dia das Mães.
    Um carinhoso abraço de
    Verena.

    ResponderEliminar
  24. Um poema um tanto depressivo. De acordo com o tempo que tens feito.

    Abraço

    ResponderEliminar
  25. Triste, mas muito bonito.

    Beijinho grande no coração
    Www.danielasilva.pt

    ResponderEliminar
  26. Um poema muito bonito e inspirado!
    Beijinhos e uma boa noite.
    Ailime

    ResponderEliminar
  27. Lindo em poesia este silencio do poeta Cidália.
    Belíssimo trabalho de sua magnifica poesia.
    Um bom lindo fim de semana no silencio da paz.
    Beijo amiga.

    ResponderEliminar
  28. Um poema nostálgico e introspectivo, mas que nos transmite um sem fim de emoções...
    Gostei imenso, Cidália! Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar
  29. Nostálgico e lindo poema.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar

A vossa visita e comentário é o balsamo que alimenta a minha alma...Muito obrigada. Todos os poemas expostos são de minha inteira autoria, no que, apenas deverão ser partilhados com os devidos créditos da Autora: Cidália Ferreira (eu) 😘