quinta-feira, 23 de julho de 2015

Cai a noite suavemente sem turbulência

Enquanto meus olhos apreciam o tempo
Cai a noite suavemente sem turbulência
O vento beija o chão que  por momento
Nos mostra maravilhas da sua essência 

O sol brilhou  e aqueceu  o meu coração
A brisa que alimenta a minha alma pura
Ao soltar meus desabafos de recordação
Aos ventos, que me observam a loucura

Enquanto sentia silencio em meu redor
A brisa me oferecia  partículas de amor 
Ao meu coração que sem limites, espera

Afastaram-se as aves  em maré parada
O sol dourado desapareceu e eu ficava
Vendo, que à minha volta tudo impera
****
Cidália Ferreira

22 comentários:

  1. Magnifico este belo poema.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderEliminar
  2. Olá minha amiga, espero que te encontres bem
    Adorei o teu poema, como todos os que escreves, não tenho é muito tempo para a net, como sabes. Estou quase a entrar de férias, quem as dera cá!!

    Beijinhos para ti e teus filhotes.

    ResponderEliminar
  3. Sem turbulências aqui vejo um frescor de poesia.recebendo essa brisa em cada verso.
    Muito linda Cidália.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  4. Cidália, grato por teres com o meu poema no blog da Catiaho, Entretanto aproveitei a ler o te ótimo soneto, o bom momento poético.
    Passarei mais vezes, fiquei encantado.
    Abraços

    ResponderEliminar
  5. Bom diaaa Ci

    Que bonito hein?

    bjokas =)

    ResponderEliminar
  6. Maravilhoso poema com uma excelente imagem.

    Bjos

    ResponderEliminar
  7. Boa tarde, lindo poema, revela que o sol dourado existe e sempre existira em si.
    AG

    ResponderEliminar
  8. um soneto muito belo e cheio de sol.
    a imagem está muito bem!
    beijinho
    :)

    ResponderEliminar
  9. Que o brilho do sol venha aquecer sempre o nosso coração, Cidália beijos.

    ResponderEliminar
  10. Bonita conjugação de imagem e poema.
    Quando o sol se põe a inspiração nasce.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  11. Cidália..... olha só a parte que mais gostei...
    "O vento beija o chão que por momento..."
    Só as pessoas de consciência tranquila esperam o cair da noite assim.. calma e suavemente....

    ResponderEliminar
  12. Que máximo bela poesia amo todos os dia entrar aqui.
    Canal:https://www.youtube.com/watch?v=eNNlFtDc1-o
    Blog: http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  13. Muito lindo , transmite calmaria , dá quase pra sentir a brisa ,adorei.

    ResponderEliminar
  14. Oi Ci, tudo bem?
    Estou de volta nesse cantinho maravilhoso. Como sempre tudo muito lindo por aqui.
    Estou voltando aos pouquinhos aos blogs dos amigos. Obrigada pelo carinho,na Literatura.
    Beijos

    ResponderEliminar
  15. Suavidade terna nesse anoitecer poético.

    Beijinhos, querida Cidália.

    ResponderEliminar
  16. Um belo soneto, Cidália. A transmitir paz interior...
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  17. Bom dia,Cidália.
    Um belo poema esse seu.
    A paz,o silêncio, os sentimentos de calmaria aquecem o coração que apenas observa e sente as melhores partículas de vida!
    Parabéns.
    Tenha um fim de semana de paz.
    Beijos na alma.

    ResponderEliminar
  18. Uma noite encantada serviu de inspiração a este magnífico poema. Ao ler, senti uma suave brisa e uma tranquilidade interior. Isso só prova que a tua poesia toca profundamente quem te lê. Adoreiiiii Cidália, és uma poetiza de mãos cheias! Um grande abraço para ti

    ResponderEliminar

A vossa visita e comentário é o balsamo que alimenta a minha alma... Muito obrigada. Todos os poemas expostos são de minha inteira autoria, no que, apenas deverão ser partilhados com os devidos créditos da Autora: DEP. Legal: 374 492/14 - Cidália Ferreira - (Eu) 😘