terça-feira, 12 de abril de 2016

Ouvem-se remoinhos, palavras frias...

Sopram os ventos em chão molhado
Cai a chuva sobre  meu pensamento
Agita-se o meu coração apaixonado
Que chora num  sufocado tormento
.
Ouvem-se remoinhos, palavras frias
Sentem-se ventos, que desaparecem
Como os pingos em  manhãs tardias
Caindo sobre os corpos que padecem
.
Lentamente  deixei-me cair no chão
Senti o quanto sofreu o meu coração
Onde  deixei lágrimas de  ansiedade
.
Sopram os ventos em corpo ansioso 
Qual remoinho que  passa silencioso
Onde fico num pranto sem liberdade
****
Cidália Ferreira.

22 comentários:

  1. Um poema muito bonito e apaixonado, uma bela inspiração.

    Beijo

    ResponderEliminar
  2. Mais um belo poema minha amiga, gostei.
    Um abraço e óptima Terça-Feira.

    ResponderEliminar
  3. É preciso libertar o prato para que ele nos lave a alma.
    Mais um lindo poema...
    Beijos e um lindo dia para vc, Cidália

    http://odiariodaescrava.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  4. Lindos e melancólicos versos nessa poesia bem inspirada! bjs, lindo dia! chica

    ResponderEliminar
  5. Apaixonante poema Cidália e com esse fundo musical deu um acabamento maravilhoso.
    Adorei.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  6. Profundo amiga.

    bjokas e um lindo dia pra você =)

    ResponderEliminar
  7. Boa tarde Cidália,
    Melancólico, mas bonito soneto!
    Beijinhos e boa semana.
    Ailime

    ResponderEliminar
  8. Muito bom este soneto, gostei muito, do soneto e do blog.
    Parabéns :)

    ResponderEliminar
  9. Belíssimo e melancólico soneto.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  10. Um poema muito bonito.

    Bjoo
    http://blogdaadilene.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  11. A ansiedade convoca as lágrimas que deveriam ser sempre em liberdade.
    Belo, Cidália.
    xx

    ResponderEliminar
  12. Poesia super apaixonada arrasou como sempre
    Blog:http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br
    Canal:https://www.youtube.com/watch?v=DmO8csZDARM

    ResponderEliminar
  13. Poema lindíssimo. Arrebatador e a transbordar sensibilidade de pensamento.Bonito demais.

    ResponderEliminar
  14. Mais um belo soneto, embora triste.
    Um beijinho com carinho

    ResponderEliminar
  15. Ventos que relembram tristezas e amarguras.
    Lindo poema.
    Minha amiga, recebi um prémio que circula na net e venho partilhá-lo consigo. A importância não está no prémio em si, mas sim no que ele representa, a criatividade, imaginação, inspiração, bem como as horas e dedicação que cada um, dedica aos seus blogues deixando neles um pouco de si.
    Provavelmente já recebeu de outros amigos esta recomendação, mas fica também aqui o meu reconhecimento pelo mérito do seu blogue.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar
  16. Maravilhoso, não tem como não admirar teus versos Cidalia!
    Você é naturalmente poeta!
    Beijos, querida amiga!
    Mariangela

    ResponderEliminar
  17. Que lindo Cidália, versos encantadores. beijos boa quarta-feira a vc.

    ResponderEliminar
  18. Olá Cidália
    Depois do choro a alegria sempre brota. Desejo um belo dia amiga. Bjs

    ResponderEliminar
  19. Tanta agitação existente na tua alma que inspirou esta poesia dominada pela tristeza, ansiedade e tormenta! Contudo, não deixa de ser uma bela e emotiva poesia, porque todos esses sentimentos também fazem parte do mundo poético. Uma construção magnífica aliada a forte carga emocional. Um beijinho grande e um dia mas cheio de alegria

    ResponderEliminar
  20. "sopram os ventos
    em chão molhado

    Palavras frias
    Lágrimas de ansiedade"

    E eu leio e vejo
    A luz de seu poema!

    E amei...

    Maria Luísa

    ResponderEliminar