quinta-feira, 25 de abril de 2019

Hoje um lamento, tudo mudou...


Aos vinte cinco de Abril
De, mil novecentos e setenta e quatro,
Momentos de tensão, revolução
Nervos, coragem... vontade
De quem, não se queria mais calar,
*
Um povo cansado, lutando
Gargantas prontas para gritar,
Longas horas passadas na rua
Lutando, enfrentado batalhas
Resistentes, controlando as forças
*
E os cravos vermelhos à solta
O movimento, revolta, a esperança
Os cânticos entoavam no ouvido
Dum povo, que à rua tinha saído
*
A força e a união dum povo corajoso
Que lutavam juntos pela igualdade...
Mas vencendo...soltou-se o grito
Viva...Viva... Viva a liberdade
*
Mas hoje, um lamento, tudo mudou
Eles comeram tudo e o povo deixou,
A pobreza e a miséria escondida
Comendo apenas migalhas contadas
Num País que parece à deriva
Onde uns têm tudo, outros têm...nada.
***
Cidália Ferreira.
Viva o 25 de Abril!

28 comentários:

  1. Pois... sem saber o que é a fraternidade...
    Bom feriado....
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  2. Grândola vila morena, ...

    Tudo muda, tudo se modifica, com excepção do pobre que é sempre pobre.

    Gostei de ler.

    ResponderEliminar
  3. Linda liberdade conquistada!Pena que tudo mudou! Isso em todos lugares! bjs, chica

    ResponderEliminar
  4. Tempo de mudança, sempre em liberdade.
    Beijinho Cidália e Viva Abril

    ResponderEliminar
  5. Mudanças sempre acontecem um belo poema Cidália magnífica a música bjs.
    http://www.lucimarmoreira.com/

    ResponderEliminar
  6. Hoje não está bom Cidália, mas comparado com o 24 de Abril é o paraíso. Não tínhamos reformas, nem SNS nem justiça social, nós as mulheres não tínhamos direito a trabalhar nem a viajar sem autorização do marido, não tínhamos divórcio, não podíamos votar, etc. Se um homem abandonava a mulher, e ela acabava por conhecer outro homem e ir viver com ele, não tinha direito a registar os filhos com o nome do pai, mas com o nome do marido que muitas vezes nem ela sabia onde vivia.(aconteceu com uma prima minha).
    Em compensação, tínhamos a PIDE, os fortes de Peniche e Caxias, as salas de tortura, o Tarrafal, e a guerra colonial, que ceifava tantas vidas na flor de idade e era o terror de todas as mães.
    Por tudo isto, que eu ainda lembro bem, 25 de Abril sempre.
    Abraço

    ResponderEliminar
  7. O 25 de Abril ainda não chegou a todos...
    Magnífico poema, gostei imenso.
    Cidália, um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  8. Boa tarde Cidália,
    Viva o 25 de Abril!
    Eu já era crescidinha quando se deu o 25 de Abril de 1974 e estive no Largo do Carmo.
    Vivi duas dezenas de anos durante o fascismo e que jamais os meus filhos, os nossos netos vivam num regime como aquele.
    Portugal era cinzento, pobre, não havia saneamento básico, luz eléctrica na maioria das aldeias portuguesas.
    O povo era ignorante, porque a ditadura assim o exigia. Não havia liberdade de expressão.
    Felizmente que o País de norte a sul ficou mais bonito, mais risonho e os meus filhos e outros passaram a ter acesso à Universidade, coisa que eu infelizmente não tive, porque era coisa de elites.
    Claro que nada é perfeito e não se pode ter tudo. Hoje os empregos são mais precários, etc, mas apesar de tudo isso, há um nível de vida quem nem tem comparação.
    Eu quero continuar a acreditar que só pelos motivos que invoquei (e havia tanto a dizer... A Elvira fala de tantos aspectos infelizmente bem verdadeiros) o 25 de Abril valeu a pena!
    Um beijinho e bom feriado.
    Ailime

    ResponderEliminar
  9. O Dia 25/Abril é um marco de vitória p Portugal! Creio mesmo... País que amei visitar e sonho retornar em breve...
    Um poema e post reflexivos...
    Meu abç.

    ResponderEliminar
  10. Junto a minha voz à da Elvira e da Ailime.

    E digo também que não existem democracias perfeitas, é um estar atento todos os dias, é um em guarda constante.


    Palavras que se erguem como cravos no teu poema.

    Beijos

    ResponderEliminar

  11. Ah... vinte e cinco de abril
    A revolução dos cravos
    Que tirou da boca travos
    E deu luz à voz servil

    Muda e seguindo sutil
    Soergueu a voz de bravos
    Heróis antigos escravos
    De uma ditadura vil.

    Viva o povo português
    E um viva a quem talvez não fez
    E quer mais que o obtido

    É lutar com garra em vez
    De choramingar, talvez
    Buscar seu rumo e sentido.

    Belo poema o seu, Cidália! Parabéns! Grande abraço! Laerte.

    ResponderEliminar
  12. Mas hoje, um lamento, tudo mudou
    O POVO pensando que tudo ia melhorar
    e saiu defraudado, infelizmente.

    Eles comeram tudo...
    Num País que parece à deriva
    Onde uns têm tudo, outros têm...nada.

    SIM, CIDÁLIA é muito triste!

    Para quem "pensa" que não faço férias "cá dentro",
    tenho dois posts novos sobre o ALENTEJO.
    Na minha visita ao Alentejo tinha o objectivo de ver recintos megalíticos pois aquela zona é farta de monumentos megalíticos, mas... aquele que consegui mesmo ver e estar perto foi o MENIR da BULHÔA
    http://meusmomentosimples.blogspot.com/

    e

    http://momentos-perfeitos.blogspot.com/

    Beijinho, Tulipa

    ResponderEliminar
  13. Poema que tem som do lamento de um povo maravilhoso....
    Como nós aqui no Brasil... estamos , contra tudo e todos, lutando contra a corrupção e a roubalheira...
    Fora políticos ladrões....
    Portugal da fraternidade!!!

    ResponderEliminar
  14. Poema muito bonito de uma amplitude maravilhosa.
    Quem não gosta de viver sem as garras do fascismo?

    Adoro a música de fundo ( Grândola Vila Morena )

    Parabéns.

    ResponderEliminar
  15. Uma Realidade que ninguém pode negar, mas o povo diz que estamos bem :(

    Beijinhos e bom 25 de Abril

    ResponderEliminar
  16. Mil vivas eternas a gloriosa revolução dos cravos com aquele "cheirinho de alecrim".

    ResponderEliminar
  17. Hoje ha liverdade ha mais mas bom gostei mt do teu poema bjs feliz semana

    ResponderEliminar
  18. Quando o Zeca cantou "eles comem tudo e não deixam nada" pensava no passado não previa o futuro.
    Mesmo com muito defeitos valeu a pena.
    Beijo, bfds

    ResponderEliminar
  19. Tanto ontem como hoje é bem verdade as palavras do Zeca - eles comem tudo e não deixam nada.
    Um abraço e bom fim-de-semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
  20. Uma grande verdade, que acaba de dizer.

    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  21. Concordo com tudo.
    Mas nesta data festeja-se a bravura e a liberdade.
    Beijos
    ~~~

    ResponderEliminar
  22. Grandiosa homenagem poética ao dia que mudou Portugal!!!
    Adorei o poema, perfeitamente escrito!Espero que a liberdade perdure!

    Um abraço grande

    ResponderEliminar
  23. Cidália!
    Que abril saudoso e distante.
    cheirinhos
    Rudy
    https://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com/2019/04/divulgacao-cultural-36-79-poetizando-e.html

    ResponderEliminar
  24. Muito se conseguiu com esta revolução... mas muito ainda não foi conseguido... há que continuar a luta, um pouco mais cada dia, para que mais direitos e melhores condições sejam uma realidade...
    Uma bela inspiração, assinalando esta data tão emblemática!
    Beijinhos!
    Ana

    ResponderEliminar

A vossa visita e comentário são o elixir do meu coração...Muito obrigada. Todos os poemas expostos são de minha inteira autoria. Só deverão ser partilhados com os devidos créditos da Autora: Cidália Ferreira (eu) 😘