quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Cansada... já não tenho mais palavras

Cansada... já não tenho mais palavras
Que possam embelezar o livro
Falta a coragem, a esperança
A força de nele escrever,
Falta-me, a vontade de viver,
.
Cansada, não mais terei aquele valor
Escrever, talvez nos faça renascer,
Mas nem sei se virás ler,
Nesta angustia em que me encontro
Todas as folhas são poucas
Mesmo não estando escritas
Saberás o que querem dizer,
Cansada... de nada valer
De deixar lágrimas derramadas
Entre a candura das folhas
Que nada dizem, mas nada é muito,
.
É a saudade das tuas palavras,
E o desgosto de meu coração
Queimado pelas fagulhas,
É nestas páginas em branco
Onde tantas vezes tento entender a razão.
***
Cidália Ferreira.

21 comentários:

  1. Palavras muito tristes, espero que seja apenas a veia poética inspirada em algo abstrato, é um poema muito triste ...
    beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Triste e linda poesia,Cidália! bjs, chica

    ResponderEliminar
  3. Sim, espero que nada tenha a ver com a vida real.
    É, como sempre, mtº. bem escrito, mas triste,
    mas a vida também tem momentos tristes "muitos".
    Bjs~.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
  4. Cidália,sabemos que muitas vezes o que escrevemos são sentimentos fictícios e outras são verídicos.
    Espero que essas palavras tristes sejam apenas fictícias,e que saíram da sua linda alma de poetisa.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  5. Olá Cidália
    Triste mas bonito enquanto poesia;
    Ainda bem que livros viram as páginas e podemos
    sempre reescrever outra história.
    Bom começo de novembro e obrigada pela presença
    pela casa.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  6. Querida Cidáliamiga

    Os livros são isso mesmo e servem para isso mesmo: recriar, dia após dia as estórias que lá quisermos escrever. Por vezes nem é preciso apagar as antigas: elas sabem conviver - e quanto mais o fazem - mais fazem o livro, que assim se vai multiplicando e agradando a uns entristecendo outros...

    Qjs do Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar

  7. DROGADO JOVEM OU JOVEM DROGADO
    Acabo de publicar na NOSSA TRAVESSA um novo textículo de minha autoria que tem como título DROGADO JOVEM OU JOVEM DROGADO que se passa num RESTAURANTE-BAR (tasco) no qual retomo a linha neorrealista que tantas/os leitoras/es apreciam. Oxalá o mesmo se passe com este. Nela, e como lhe compete, o vernáculo reina, sem pejo, nem falsos pudores.

    Henrique, o Leãozão



    ResponderEliminar
  8. Cansados e gastos. Um poema carregado de emoções.
    Que nos vale amar se os outros estão cegos, surdos e se escondem num silencio assassino ?
    Enquanto amamos vivemos, sofremos e desejamos mais amor

    ResponderEliminar
  9. Belíssimo e tão melancólico poema.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  10. Tão triste como amoroso e sedutor. Gostei muito

    Beijuuuuuuuuuu

    ResponderEliminar
  11. Oi Cidália,
    Espero que sua postagem seja uma ficção, pois se não for junte tudo e vá viajar.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  12. Lindo,mas triste demais,querida amiga Cidália.

    Deus queira que seja apenas uma inspiração que sei serem diferentes.

    Mas que não esteja realmente ocorrendo com você,pessoa linda!

    Beijos sabor carinho e um finalzinho de noite de Paz!

    Donetzka

    ResponderEliminar
  13. Que texto belíssimo, cheio de belas palavras!
    Adorei o post, já estou te seguindo, sucesso minha querida, procurarei estar sempre aqui!
    bloganyduarte.blogspot.com.br

    ResponderEliminar
  14. muito linda mais trite essa poesia..

    http://www.marianetavares.com.br/2016_11_01_archive.html

    ResponderEliminar
  15. Um belo poema e espero que as palavras nele contido seja mesmo só poema.
    Um abraço e continuação de boa semana.
    Andarilhar

    ResponderEliminar
  16. Tão nostálgico e tão belo.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar