terça-feira, 18 de setembro de 2018

A lacuna na inspiração


Queria tanto ser o livro aberto
O pensamento constante, a memória
A página escrita do nada 
Mesmo que mude o rumo da estória,
Queria ser a palavra certa
Em cada momento da descoberta,
Mas sinto-me um livro entreaberto
A lacuna na inspiração,
Não sei se é cansaço ou obstrução
Apenas a mente não deixa
Que o livro se escreva em glória
*
Um livro aberto ou página em branco
Ficando as mágoas do coração,
Queria ser do livro, a mariposa
Dos sentimentos em liberdade
E neste pensamento bloqueado
Não tenho forças para escrever
Nem inspiração para sorrir,
Queria ser, apenas o livro certo
Para que me consiga exprimir,
E quando sentir que me vêm ler
Retribuir-vos-ei em palavras de saudade
***
Cidália Ferreira.

domingo, 16 de setembro de 2018

Sussurros do amanhecer... [ Poetizando e Encantando]

Ainda visito o mar esperando teu amor
Esperando, os sussurros do amanhecer
Mesmo sozinha aguentando minha dor
Esperando a companhia sem entristecer
*
Pétalas vermelhas, aromadas, desfeitas
São sussurros dum coração fraquejado
Quando sente as  ondas, que tu rejeitas
Ficam sentimentos soltos, meu amado
*
Esta tristeza que sinto é minha paixão
Só um coração apaixonado o entenderá
Porque me perco no areal e em reflexão
Sem saber, o que o futuro me reservará
****
Cidália Ferreira.

POETIZANDO E ENCANTANDO

Chegámos à edição 53, no blogue, Poetizando e Encantando. Cada semana um novo desafio. Cada desafio uma nova aventura, nova emoção... Assim vos deixo com a minha simples participação. Bom fim de semana a todos os que por aqui passam 

sábado, 15 de setembro de 2018

O calor do teu silêncio...

Imagem relacionada
É nas noites quentes que desejo o frio
O calor do teu silêncio,
Que desejo ouvir palavras sem rima
Sentir a tua alma em sintonia
E ouvir tua voz seleta,
Imagino, a musica entrando no coração
Ver o teu olhar comovente
Quando um simples beijo abre o desejo
E o desejo de construir palavras, num beijo,
Sentir o perfume da rosa caída
E imaginado nas pétalas a mera poesia
*
Desfolho notas dos meus pensamentos
Descubro um dos mais belos segredos
As notas de que nunca te escrevi
Mas que deixei em mero rascunho,
Nesta noite, vagueio silenciosamente
Recordando momentos sem fim
Daqueles, que jamais desejo esquecer,
Mas, para fortalecer os meus medos
Só o teu carinho me faz reviver
E num turbilhão de palavras, quero dizer
Que fazes, hoje e sempre... parte de mim.
***
Cidália Ferreira

quinta-feira, 13 de setembro de 2018

Do amor ao infinito ...

Caminho inquietada em direção ao infinito
Levo comigo as lembranças, meros segredos
Levo a alma em aflição, e levo meus medos
Momentos tão duros em que te sinto aflito
*
Até de mente mais atrevida, sou eu, assim
Nos instantes em que acordo eu pressinto
És meu... exímio sentimento, e não minto
Quando me inquieto nas palavras sem fim
*
Mas olho o horizonte, ignoro o precipício
Não tenho pânico. O amor será mais forte
E se, revirar o mundo fosse a minha sorte
Faria desta caminhada, meu ilusório vício
****
Cidália Ferreira.

terça-feira, 11 de setembro de 2018

O Vazio da saudade...

Tenho saudades dos dias outonais
Das conversas secretas com a natureza
Das folhas caídas, envelhecidas
Das cores sortidas exalando beleza
Dos rios no meio termo, que encantam
Das águas que correm, sem destino
E se perdem nas margens do entretanto
Levando folhagens e muito mais,
Saudades, apenas a minha miragem
Enquanto a mente se envolve na aragem
*
Saudades daquele banco, agora vazio
Das conversas, em meras caminhadas
Sem horas marcadas,
Tenho saudades da minha solidão
Preciso de me encontrar, no meu eu
No meu mundo mais secreto da magia,
Preciso tanto de aliviar meu coração
Abri-lo-ei apenas em segredo
Para quem me alivia esta saudade
Na cumplicidade duma boa companhia.
***
Cidália Ferreira.

domingo, 9 de setembro de 2018

Nossas vidas, filhas da pouca sorte. {Poetizando e Encantando}

Sabes, como o meu amor por ti, é tão forte
Desde aquele dia primeiro, em que nasceu
Onde tantas vezes nos divertimos, sucedeu
Nossas vidas, serem filhas, da pouca sorte
*
Sabes onde sempre te espero,  loucamente
Provida de doces palavras que quero dizer
Aqui, esperando que chegues para reviver
Momentos de estreme carinho...mormente
*
Olho a janela e não chegas, talvez demores
Talvez te encantem as rosas para me ofertar
Porque  mesmo moroso, sei dos  teus valores
*
Perfumei o espaço, onde sempre te espero
É difícil esperar por ti,  sem me apaixonar
Olho a janela, um dia lindo... eu desespero
****
Cidália Ferreira.

POETIZANDO E ENCANTANDO

Chegámos à Edição nº 52 do Poetizando e Encantando. Mais um dia onde me associo a esta corrente (brincadeira) poética ainda que, de uma forma modesta, tal como eu sou. Agradeço o convite... Espero que vos agrade... Bom fim de semana.

sexta-feira, 7 de setembro de 2018

Intempéries

Imagem relacionada
Intempéries se cruzam em mar agitado
Enquanto as nuvens se zangam comigo
Ferem-me o coração, que tão magoado
Receia perder um grande e doce amigo
*
Mar adentro onde sinto os meus medos
Recebo as ondas em espuma e trovões
Não desisto em guardar meus segredos
Mas liberto-me  aqui das meras ilusões
*
Assusta-me... por pensar que te afastas
Que te percas em nefastos pensamentos
Assusta-me...por saber, como te agastas
*
São as intempéries, a parte desta loucura
Talvez a nossa, em partilhar os tormentos
Neste mar irado que tanta gente o procura
****
Cidália Ferreira