terça-feira, 23 de agosto de 2016

Da minha janela olhei, senti o sol tão profundo.

Amanheci, com esperanças de um dia sereno
Abri a janela da minha  alma, respirei ar puro 
Olhei a natureza, amanhecia  um sol pequeno
Com sua grandeza  nascendo em lugar seguro
.
Durante aurora  contemplava de coração cheio
Ia crescendo  na limpidez do dia e tão dourado
Enquanto esperanças  me levavam ao devaneio
A inspiração aparecia em belo sentido figurado
.
Nasce em minha alma como nasce na montanha
Numa natureza que passou de verde, a castanha
Pelos mau feitores que não têm dó deste mundo
.
Poderia ser  tão belo, como belo é o sol - nascer
Que encanta o olhar de quem o tenta reconhecer
Da minha janela olhei, senti o sol tão profundo.
****
Cidália Ferreira.

domingo, 21 de agosto de 2016

Olhares que atravessam pensamentos

(Foto minha)
Olhares que observam e pensam
No cheiro que a natureza oferece
A sombra, a calma, a reflexão
Os ecos das aves que ali pousam
Procurando alimento sob salgado chão
No silêncio de uma maré calma
.
Olhares que atravessam  pensamentos
Como raios de sol que aquecem momentos
Em que a maresia me alimenta a alma
E o silêncio me deixa em leveza pura,
São detalhes que meu olhar alcança
Em areais serenos, pensamentos e procura
.
Olhares que contemplam opacos raios de sol
Que se escondem por fissuras verdejantes,
Sente-se o fumo do fogo, de terras distantes
Deixando o sol carregado, sem energia
Apenas o silencio me oferece inspiração
De tristemente, num olhar, rabiscar a poesia.
***
Cidália Ferreira

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

A rosa, que um dia, ao meu coração veio ter

A rosa, que um dia, ao meu coração veio ter
Trazia o perfume mais belo, o das tuas mãos
Que acariciavam os meus cabelos, sem os ver
Das nossas mentes saem pensamentos vãos 
.
O meu rosto sorri ao imaginar-te à chegada 
Olhos fechados, vagueio no teu pensamento
O meu corpo tremulo, de mente apaixonada
Que se sacia no teu perfume, meu alimento 
.
Deixei-me levar ao sabor do  tempo perdido 
Imaginei  um dia, que  tuas mãos eram rosas
Enternecida com teus gostos, faziam sentido
.
Vesti-me de gala, para ti, revivi  as memórias
Do meu  rosto saiam as melodias  em prosas
Do coração, lembranças  das nossas estórias
****
Cidália Ferreira.

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Num deambular de pensamentos meus


Num deambular de pensamentos meus
Com meu corpo carente, sozinho
Esperando dos teus lábios, o carinho
O calor do teu corpo entusiasmado,
E no silêncio das nossas palavras
Onde o calor em corpos suados
Nos deixam as vozes tremulas, excitadas
Nos conduzem ao mais belo ninho
Acontecendo os carinhos, meus e teus,
.
Deambulava neste excitante momento
Em que sinto teu corpo hirto e vivo
Quente como vulcão que derrete
Sobre minha pele que tanto te deseja
Meu corpo lascivo que pensa em ti
Precisando de carinho, teu alimento
Que me faça despertar com glamour,
E que nossos copos entrelaçados
Se entreguem à paixão e à magia,
E sobre sentimentos, palavras nossas
Entrego meu corpo ao teu, por amor.
***
Cidália Ferreira.

domingo, 14 de agosto de 2016

Sigo meu instinto por caminhos de solidão

Sigo meu instinto por caminhos de solidão
Levo comigo os sonhos, alguma melancolia
levo no pensamento tanta coisa, até agonia
E os momentos que contentas meu coração
.
Sinto que no silêncio se ouve minha tristeza 
Conto a cada pedra, a minha historia de vida
Não controlo a lágrima que cai desprotegida
Pelo pensamento  que me deixa  na fraqueza
.
Ouço ecos de um sentimento à minha volta 
Que me derrubam, me deixam nesta revolta
De procurar refugio longe de fracos olhares 
.
Sigo o meu instinto sufocada no sentimento 
Não consigo silenciar a tristeza de momento
Apenas tu consolas meu coração, se chegares
****
Cidália Ferreira. 

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Numa viagem feita ao meu mundo

Numa viagem feita ao meu mundo
Em que tantas tristezas passam por mim
Nada é tão triste e profundo
Como as palavras que ferem a alma
Quando a paz parece não ter fim
.
Olho a paisagem que passa e penso
Que faço eu neste mundo cruel
Se a vida me dá as agruras e o fel
Se o meu coração  não se acalma
E vive num sentimento tão tenso
.
Que adianta esta viagem, se preciso
De muito mais que um momento sozinha
Acalmar o coração, que seja na solidão
Acompanhada, de quem comigo caminha
Nos momentos em que a tristeza dói
E as palavras magoam meu coração.
***
Cidália Ferreira.

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

...No pensamento, a alegria de um dia voltar

Enquanto  respirava o cheiro da maresia
As coisas passavam pelo meu pensamento
Nesta caminhada com vontade em extasia
Pelo paredão que me elevou o sentimento
.
Como os raios de sol  me seguem na vida
Uma brisa me sussurra e me sopa o rosto
Olho em frente sigo sem medo, precavida
Dos raios procurando meu corpo exposto
.
No céu o sol brilhava e a brisa era o calor
Nuvens raiadas dançavam espalhando cor
Nesta caminhada de pensamentos selados
.
No areal deixava marcas de pés cansados
Na água, a saudade d'utrora para recordar
No pensamento, a alegria de um dia voltar
****
Cidália Ferreira