sábado, 28 de fevereiro de 2015

Enquanto a musica tocava.

Enquanto a musica tocava
Na minha imaginação, tu cantavas
Em tom suave, baixinho
As melodias de amor,
Sentada no meu piano
Soltam-se teclas sem pressa
Tocam baladas com cor
Sobre as pétalas da flor,
Caem pingos de alegria
Serão lágrimas ou magia
Ou a saudade que aperta
Do meu mundo feito de nadas,
Enquanto a musica tocava
Recordava com desejo
Recantos do teu canteiro
Perfumado, com aroma da paixão,
Ao som da musica, sentia
O perfume do teu charme,
E no abraço que não te dei
Recordei aquele beijo
Que fez tremer meu coração,
Enquanto a musica tocava.
***
Cidália Ferreira

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Saí desesperada, pela tua procura...


Saí desesperada, pela tua procura
Dos nossos momentos de outrora
Caiam pingos gelados em bravura
Sentimentos puros de quem chora

Meu pensamento é louco de ilusão
Que guarda palavras que amargam
Fazem morada, deixa a recordação
Que machuca, por vezes me cegam

No meu desespero em que procuro
Deixo o coração afastado do escuro
Recolho-me, para que te possa ver

No vaguear da mente em que sonho
Espero pelo momento  mais risonho
Em que te possa encontrar sem sofrer.
***
Cidália Ferreira

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Vesti a nudez em seda pura

Vesti a nudez de seda pura
Para a lua eu agradar
Sai à rua em noite fria
Não encontrei as estrelas
Nem a lua a brilhar,
Apenas em noite escura
Onde faltava a magia
Ouviam-se ecos ao longe
Espalhavam-se em meu redor
Reflexos em seu esplendor,
Nesta veste
 De luxuria e transparente
Que me enlouquece
Esta minha  triste  mente,
Vesti a nudez em pura seda
Para agradar ao meu amor
E lua já não estava
As estrelas tinham partido
Apenas o que brilhava 
Era o reflexo do teu sorriso.
***
Cidália Ferreira

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Acolho-te com todo o carinho...

Acolho-te com todo o carinho
Para te contar meus segredos
Confessar-te que meus medos
São perder-te no meu caminho

Olho-a, com meu triste coração
Emocionado por tal lembrança
Quero guardar com a esperança
Do amanhã, ser boa recordação

Nestas  pétalas peço um desejo
Quero voltar a saborear teu beijo
E sentir, o teu perfume presente

Guardar lembranças e confessar
Que te guardo em especial lugar
Com o meu coração tão carente.
***
Cidália Ferreira

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Brilha o sol...


Neste dia tão sorridente
Em que brilha o sol nas pétalas
Das flores do meu amor
Que abrem ao sol ardente
Como mensagens em flor
Quais diamantes em pérolas

Brilha o sol nos meus olhos
E o teu ser que me seduz
Sentimentos meus aos molhos
Que o meu coração traduz
Como saudade tremenda
Das flores da primavera

Brilha o sol com um sentido
Em que entras no meu espaço
Sentimentos que suscitam
De um coração atrevido
Que ganhou o teu perfume
Sentido com um abraço

Brilha o sol no teu sorriso
Teus olhos encantos meus
Meus olhos carinhos teus
Culpados do meu ciúme
Amigos quando preciso
E mensageiros do amor
***
Cidália Ferreira

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Enquanto dormia pendurada neste sonho.

Enquanto dormia pendurada neste sonho
Pairava à minha volta uma nuvem escura
Que passava apressada no tempo tristonho
Levava pétalas em tufos de pura brancura

Esta veste branca e leve que me envolve
Numa leveza de aragem em suave prazer
Recebo mensagem tua, o que me dissolve
Por pena de palavras que ficam por dizer

Enquanto neste sonho tiver o pensamento
E deixar-me vaguear sobre asas do tempo
Não haverá nuvem escura que tire energia

Durante o sono sussurraste-me ao ouvido
Palavras mais lindas que teria acontecido
No sonho, tu fazes parte da minha alegria 
***
Cidália Ferreira

Sentia a brisa entrar...

**.**
Sentia a brisa entrar, 
Pela janela 
Que na minha memória
Estava virada para o mar,
Ouvia-se o vento soprar
Voavam areias pelo ar
Até os salpicos salgados
No meu rosto carente, servia
Para acalmar a saudade,
Ondulam as águas límpidas
Banhadas por raios de sol,
Sopra suavemente 
Uma brisa, parece gente
Ouço o bater na janela
Será vento, ou pensamento
Ou saudade de momento,
Sentia a brisa 
E as águas a dançar
Na imaginação 
Da minha janela tão bela.
***
Cidália Ferreira.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Numa das páginas da minha vida


Numa das  páginas da minha vida
Escrevia com uma simples caneta 
Retalhos de uma vida, e já sofrida
Mostrando outro lado, outra faceta

Rasgam-se folhas  já envelhecidas
Como pétalas de rosa tão cansadas
Que caem sem rumo, e ressequidas
Se guardam nas folhas amarrotadas

Deixam  cheiro a palavras doridas 
Presas nas páginas de recordações
E pétalas de amor em vidas traídas

No desfolhar deste livro, eu arranco
As amargas palavras e as desilusões
Que guardava nas folhas em branco.
***
Cidália Ferreira

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

A lua queria brilhar.

A lua queria brilhar 
Em noite que parecia triste
O vento soprava, voavam as folhas
Ouviam-se ecos de dor
O medo,  receio que persiste 
Pelo chão pairam sentimentos,
A Lua brilhava e iluminava
O caminho por onde eu passava
Procurava por ti em cada recanto
Do escuro do meu coração,
A lua brilhava, perdi-te na noite
Encontrei a amarga solidão
Durante sono da lua,
O vento sopra em  minha direcção
Eu vestia um véu transparente
Confessando à lua que sou tua
Ontem... hoje... e sempre.
***
Cidália Ferreira

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Correm águas turbas num sentido

Correm águas turbas num sentido
Esconde-se o sol que parece triste
Neste lugar sereno que foi abrigo
Do vento que neste canto persiste
.
Um lugar de outrora onde eu cresci
Quando via águas furiosas saltando
Levando a natureza, eu não esqueci
Quando sem permissão iam chegando
.
Corre, em forma lenta e já cansado
No ontem a sua essência era bravia
Neste rio dos amores, e apaixonado
Dos meus olhos, visitado neste dia
.
Quando noutro tempo o tormento
Eram as águas furiosas sem limite
Admiro atentamente e com tempo
A minha Cidade que paz transmite.
***
Cidália Ferreira

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Neste lugar especial...

**//**
Neste lugar tão especial
Onde o sonho é o encontro
O sol, nosso alimento
O mar, a testemunha
A brisa, nosso perfume
O areal a nossa cama...
Neste lugar especial
De águas calmas, ondulantes
E a cama feita de anseios
Abraços beijos, sorrisos
Sussurros e devaneios
E gemidos dos amantes,
Cai a tarde e acontece
Nossos corpos tão carentes
Ofegantes, desejosos
E o sonho a comandar
Batidas do coração,
Do imaginário mais belo
Que tenho deste lugar
Não sei é sonho meu
 Ou será recordação.
***
Cidália Ferreira

domingo, 15 de fevereiro de 2015

São meus, os sentimentos tão ternos


São meus, os sentimentos tão eternos
Que no meu coração viraram a chama
Acende-me no peito faiscas de paixão
Melodia, que são os teus olhos ternos
Que me fazem sorrir, ser feliz e viver
Tu não vês...mas é teu o meu coração
Que me ilumina o caminho do prazer
.
São os meus sonhos, desejos loucuras
De um coração que vive em tormento 
São tão verdades as minhas aventuras
Quando te quero no meu pensamento 
Quero abraçar-te... assim do meu jeito
Para sentires o carinho do meu  peito
E mostrar o valor do meu sentimento
.
Queria neste dia especial, um só desejo
Receber o teu carinho, e sentir-te sorrir
Num simples gesto enviar-te meu beijo
Agradecer, toda a razão do meu existir 
****
Cidália Ferreira

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Sou feita de... (...)

**//**
Sou feita de carne e osso e imagino
Meu corpo delinquente, é saliência
Gero em mim sensações que defino
Por deixar que flua tal irreverência

Sou a delinquência feita em mulher
Sou quem sofre por tanto tormento 
Sou a poesia,  que tanta gente quer 
Sou a palavra amiga  por momento

Neste espaço onde guardo segredos
Lindas palavras, ou puros degredos
Despir-me do nada, algo que aceito

Em outrora, eu seria jardim em flor
Quando alimentado florescia o amor
Sou feita de carne e osso...sem jeito.
***
Cidália Ferreira.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

A tarde fechou-se e eu aqui... sozinha.

A tarde fechou-se, e eu aqui,
Neste local sozinha
Olhando a rua da amargura
Valetas cheias de tudo e nada
Folhas que já foram vida
E que a água leva para sempre,
A tarde fechou-se, esperava por ti
Neste canto, onde já fui feliz
Ouvia sorrisos e dava o que tinha,
Da minha alma saia o melhor de mim,
O tempo mudou, a vida acabou
Por aqui vou esperanto 
Com a certeza de quem sou hoje
Porque o amanhã não sei se estarei
Nesta janela, de onde levo recordações
Cai a chuva, apaga lembranças
Meu coração bate lentamente
Por recordar com carinho
O antigamente...
A tarde acabou e eu aqui,
...Sozinha!
***
Cidália Ferreira

Neste por-do-sol, bálsamo do coração.

**
Neste por-de-sol que me encantou
Senti a tua essência simples e pura
Que brilhava tanto, que me deixou
Andando sem destino à tua procura

Nesta praia tão calma e já deserta
Onde nem gaivotas eu vejo passar
Mas olho o horizonte e estou certa
Que além, te sinto por mim chamar

Em mar calmo, e sem o meu amor
Olhando pôr-do-sol, botão em flor
Recordando com saudade, emoção

Levanta uma brisa que me faz sorrir
Quando a tua presença  pareço sentir
Neste pôr-do-sol, bálsamo do coração.
***
Cidália Ferreira

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Sinto o teu calor no meu olhar...

Sinto o teu calor no meu olhar
Esta saudade que tenho
Do teu sorriso, do teu perfume
Do teu sussurro no meu ouvido
É a saudade no meu pensar,
Sinto teus braços ausentes
E o teu peito em fogo
Sinto teus lábios carentes
Pelo olhar que me mostras,
Abraça-me com o teu jeito
Aperta-me contra o teu peito
Mostra-me que a saudade
Justifica a solidão,
Olha-me, abraça-me beija-me
Alimenta este desejo
Vem ao encontro do meu abraço
Quero sentir...
O teu calor no meu coração
E o sabor do teu beijo.
***
Cidália Ferreira

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Via a lua passar a meu lado

Via a lua passar a meu lado
Levava no ventre a saudade
Vidas tristes e com passado
Mas dentro dela a liberdade

Levava um véu belo dourado
Quais folhas em pura magia
Que brilhava para meu lado
E deixava transparecer o dia

Via a lua com seus mistérios
Carregada de carinhos sérios
Bela como um jardim em flor

Na escuridão eu olhava a lua
Dourada e simplesmente nua
Esperado dela teu lindo amor
***
Cidália Ferreira


sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

De mãos dadas...

...///...
De mãos dadas caminhamos
Por caminhos diferentes
Estradas, encruzilhadas 
Entre a saudade, a diferença
Mas que sinto no meu peito
Que juntos somos felizes,
De mãos dadas e unidos
Passamos por ventos agrestes
Tempestades, sentimentos
Vontades e sofrimentos
Que deixamos no caminho,
De mãos dadas,
Caminhamos lado a lado
Sem pressa, mas com a verdade
Que no meu coração guardo
Palavras tuas de lealdade 
E o calor das tuas mãos,
 Neste caminho sem rumo
Que levamos e lutamos
Unidos por um laço mágico
E apenas uma palavra,
De mãos dadas andaremos
Por caminhos de verdade!
***
Cidália Ferreira

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

No caminho encontrei-te, sorrindo


No caminho encontrei-te, sorrindo 
Olhavas em frente, calmo sereno 
Trazias na mão uma rosa pedindo 
Que a deixasse num lugar ameno

Estendo minha mão para receber 
Sem importância do seu significado 
Mas seria lindo que spudesse ler 
Mensagem, que fosse nosso agrado 

Uma rosa tua é tão bela como a lua 
De pétalas perfumadas, como a tua 
É flor de amor ofertada com desejo 

Neste caminhar brilho com a tua luz 
Teu cheiro, é especial que me seduz  
Me faz delirar quando sinto teu beijo
***
Cidália Ferreira

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Levei-te comigo até ao limite...

....///....
levei-te comigo até ao limite 
De uma chuva dourada 
Onde o prazer deu lugar 
A palavras lindas, que me transportam 
Para o amor, sendo eu a tua amada, 
Gostas de sentimentos em fúria, 
Desejo louco de ti,
Sensação única, o meu sentir 
Neste lugar privado 
Onde fazes morada, por amor, 
Mais além, caí a chuva lentamente 
Sobre nossos corpos quentes 
Excitados, mas carentes... 
Levei-te comigo,  
Até ao infinito da minha alma 
Imaginei que tudo que tinha,
 Que era nada... 
E neste lugar fiquei, apaixonada.
***
Cidália Ferreira

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Deseja-me, toca-me na minha pele.


Deseja-me, toca-me na minha pele 
Deixa-me o arrepio dos teus lábios 
Sussurra-me ao ouvido assim, leve 
Como teus beijos, são puros sábios  
.

Deixa  marca de teus dedos meigos 
No meu corpo esfomeado pelo  teu 
Que sonha sempre com teus beijos 
Dados à pressa,  de um sonho meu 
.

Sussurro-te...digo-te que sou só tua 
No meu sonho sorriamos para a lua  
Que em noite fresca procura sua flor 
.

Que cresce, apaixonada pela natureza 
Onde todos os teu toques são a beleza 
Do meu corpo que te deseja, meu amor.
****
Cidália Ferreira