segunda-feira, 30 de junho de 2014

Sonhos coloridos...


Os sonhos coloridos entre nuvens brilhantes
Em águas que navego em ondulação serena
Flutuo sobre magistrais castelos cintilantes
Em nuvens de beleza rara, a aragem amena

Sonhos que dançam em destino esquecido
Como sorrisos passados, que assim voltam
Nas águas calmas com sentimentos vividos
Os sonhos mais lindos são os que se soltam

Vou ao teu encontro no momento ondulante
Nós,sobre as pedras numa melodia dançante
É o sonho do coração, em tempo de reflexão

Sobre nuvens mensageiras recebo teu carinho
São reflexos, desejos, e a falta de um beijinho
São saudades que tenho de sentir teu coração.
*****
Cidália Ferreira.

domingo, 29 de junho de 2014

Castelo desmoronado...


Tenho...
No meu castelo encantado
Sonhos, realidades e ilusões
E outras recordações
Tenho histórias de encantar
E outras que me fazem chorar
Tenho o mundo em fantasia
Era um sonhar assim
Melodia que me acompanha
Nas ilusões que construo
No meu encantado mundo
Que era belo e profundo
O castelo que havia em mim
O sinto que desmoronou
Ficaram presos os sonhos
E  minha vontade de viver
…Naquele castelo ficou.
***
Cidália Ferreira.

sábado, 28 de junho de 2014

Caminhada em desatino...

Numa caminhada feita sem destino
Que reflectia sobre meus pensamentos
Tristes melodias saltando em desatino
De meus insanos mas puros sentimentos

Quando bate a brisa como mensagem
No meu rosto passa, e deixa saudade
Será puro sonho, ou simples viragem
De um caminho árduo, livre maldade

No meu horizonte alcançava tristeza
As águas revoltadas exalavam frieza
Sinais de tudo que deixa recordação

Isolada, do triste tempo que não passa
Meditando sobre água que me abraça
O coração, que não consegue reflexão.
*****

Cidália Ferreira

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Desilusão...


Lágrimas derramadas
Caminho traçado de desilusão
Dói, da minha sombra ter medo
Perdi meu rumo, não sei quem sou
Entre quatro paredes me perco
Na solidão do meu silencio
Choro nos momentos de fraqueza
Faço da minha alma escravidão
Sinto saudade...
De libertar meu sentimento
Segredo que mora no meu coração
Escravizo meu corpo, isolo-me
Penso no tempo que passou
Na companhia que me fazias
Nas horas, e momentos difíceis
No meu coração fez-se noite
Como escura é a solidão
Em que deixo derramar
Lágrimas de desilusão.

****
Cidália Ferreira.

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Na beira do rio...

Na margem do rio esperava
Com meu puro e fértil desejo
Esperava ansiosa, sentada
Sonhava com teu lindo beijo

Nas águas que balançavam
Via os meus sonhos passar
Nossos desejos flutuavam
Como pássaros a esvoaçar

Sentada sozinha, eu sonhava
Enquanto as lágrimas limpava
Do meu rosto triste e cansado

Águas correntes, pura emoção
Onde deixo falar meu coração
Que se sente sozinho, magoado.
****
Cidália Ferreira.

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Vamos ver o pôr-do-sol?


Anda, vem passear comigo
Vamos ver o pôr-do-sol
Vamos ouvir o silêncio
Da natureza em seu esplendor
Brisa fresca em nossos rostos
Vamos procurar o amor
Pela praia só nós dois...

Anda…vem
Quero sussurrar-te ao ouvido
Entregar-te meus desejos
Que se afagam com teus beijos
Qual sentimento proibido...

Anda…vamos
Dar largas à imaginação
Brincar, fazer sorrir o coração
Na inocência dos nossos ais
Para nós nunca são demais
Vamos, passear pelos areais
Vamos ver o pôr- do-sol.

****

Cidália Ferreira

terça-feira, 24 de junho de 2014

Carentes, insanos, perdidos de Amor

Na extremidade da nossa vontade
E de tudo o que juntos desejamos
Quente, é o momento de saudade
O desejo, de quando nos tocamos 

Perdia meu corpo entre carícias
Quais nossas tentações magistrais
Nossa irreverência, fazem delícias
Que se perdem entre mãos sensuais

Na imensidão de sussurros meus
Entre mãos afáveis, abraços teus
Nos entrelaçamos em esplendor

Sussurramos na mesma direção
São devaneios do nosso coração
Carentes, insanos, perdidos de Amor.
****
Cidália Ferreira

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Sou o sonho do tempo.



Sou o sonho do tempo
A desilusão da vida
Sou portadora do tormento
Da triste vida vivida

Sou o sonho do tempo
Que espreita de vez em quando
Ser feliz só no momento
Em que o tempo vai espreitando

Sou o sonho do tempo
Esse tempo já lá vai
Quando fica o sofrimento
Do sonho, que de mim não sai

Fui o sonho do momento
Na vida de quem é gente
Quando fica o sentimento
De quem sonha, e não mente.

***
Cidália Ferreira.

domingo, 22 de junho de 2014

Brilham

Brilham
Estrelas no meu caminho
E em cada passo que dei
Aqui no meu cantinho
A estrela que brilha, é Rei
O dono do meu carinho
Brilham meus olhos por ti
Um olhar meu, de saudade
Brilham sentimentos assim
Que satisfazem ansiedade
Neste meu olhar ausente
Que brilha constantemente
Quando numa entrega se faz
Uma alma assim sorrir
Por uma estrela que somente
Parece um jardim a florir
Brilham em pétalas de flor
Desejos de um ser carente
Brilham meus olhos por ti
És minha estrela cadente.
****
Cidália Ferreira

sábado, 21 de junho de 2014

Sou a escuridão da noite.

Sou a escuridão da noite,
A tristeza de uma vida,
Sou o estorvilho do tempo,
De toda uma vida sem cor…
Sou o amargo das lagrimas,
Águas revoltas em movimento,
Sou para alguém o tormento,
Padecendo alguma dor…
Sou desgosto, sentimento,
Sou como a lua a mingar,
Em noites escuras e tristes,
Perdendo o sentido da vida,
Que passa a noite a pensar,
De dia padece a saudade,
Apertando a solidão…
Fui em tempo a alegria,
Que me fazia companhia,
Mas que de mim se afastou,
E escura a noite ficou,
 Dentro do meu coração!
****
Cidália Ferreira



sexta-feira, 20 de junho de 2014

Falam meus olhos.



Falam meus olhos tristes de saudade
Sua expressão não engana mas sente
Numa lágrima caída, e sem liberdade
Fecham de tristeza por afeto ausente

No meu olhar, pensamentos definidos
Alcanço a distância algum dia pensada
Recordo olhares que ficaram perdidos
Pela saudade que sentem, amargurada

São  nossos olhos... lindos reflexos
Que nos miram sem deixar complexos
Nos afetos de carinho que fazem sorrir

São lágrimas desesperadas sem pudor
Caem silenciadas entre pétalas de flor
Falam meus olhos que não sabem fingir.
****

Cidália Ferreira

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Espreito pela janela.


Espreito pela janela
Triste, ansiosa
De coração a palpitar
Já sente saudade
De um sorriso, teu
Que me faça alegrar...
Meus olhos lacrimejam
Ao olhar, não vêem ninguém passar
Triste, fico a pensar
Neste meu espaço deserto
Onde a melodia é a solidão
Que faz tremer meu coração....
Nesta tão longa espera
Abro a janela para trás
Debruço-me com paixão
E espero o tempo passar
Mas algo terá acontecido
Para não te ver chegar
Debruçada…
Caem lágrimas de recordação
Ao esperar na janela.

****

Cidália Ferreira

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Procurar o amor que nasceu entre pedras.


Procurar o amor que nasceu entre pedras
Natureza raiando, e uma solidão constante
Num turbilhão de emoções, ficaram esperas
Vagueando pela mente de um amor cativante

Sozinha, olhava o horizonte ao cair do dia
Batiam ondas agitadas no seu murmurando
Não te encontrei, entristecida pelo que sentia
Fiquei nas pedras, como em poesia, pensando

Melodias passageiras que me deixam saudade
Dos meus momentos ternurentos, uma verdade
O sentir do teu carinho, despertava meu coração

Foram estes instantes, de pequenos momentos
Em que dividíamos todos os bons sentimentos
Brincávamos, nos nossos momentos de solidão.

*****
Cidália Ferreira

terça-feira, 17 de junho de 2014

No silêncio...


No silêncio da minha alma
Que espera a noite cair
Folheio o álbum
Das nossas fotografias
Cai a lágrima da saudade
No coração um sufoco
Que finge andar feliz
Transformou-se no tormento
Em que senti
A tua brisa a passar.
Ao abrir minha janela
Sinto que fiquei só
No frio da solidão
Neste silencio tão triste
Apenas vejo as estrelas
Na esperança da mensagem
Que me traga ao coração
A alegria, que um dia o vento levou
Durante a sua passagem
No silêncio da minha alma!
****
Cidália Ferreira

segunda-feira, 16 de junho de 2014

São pegadas.



Pintei teu rosto numa linda tela
Que guardo junto ao meu peito
Julgava-me eu, uma Cinderela
Por ter-te pintado ao meu jeito

Rabiscava nela como em poesia
Palavras pedidas de compaixão
Não ser apagada a minha alegria
E tudo o que me resta no coração

Uma tela com adornos de beleza
Melodias escritas no seu esplendor
Deixaste teu rasto pela natureza
São pegadas, despedidas de amor.
***

Cidália Ferreira.

domingo, 15 de junho de 2014

Voltei aquele lugar..

Voltei aquele lugar
Procurei o teu sorriso, não encontro
Nem o cheiro que deixaste
Foste, nem sequer me avisaste
Que nesta praia deserta 
Longa era a caminhada
Com pedras no teu caminho
Levaste na tua bagagem
O meu sorriso, e vontade de viver
Vou esperar-te à beira mar
No meio da solidão, onde recordo
O nosso jeito de brincar
O tempo passa, e tu não chegas
Vou adormecer nas ondas
Esperando toda a verdade
Quero sorrir e não consigo
Comigo tenho a saudade
Volta, devolve-me o meu sorriso
Que te deixo em liberdade.
***
Cidália Ferreira



Excelente Domingo para todos.

sábado, 14 de junho de 2014

Terrível madrugada.

Na terrível madrugada
Fresca e longa
Contei estrelas, tive sonhos
Levantei-me devagar
Fui ter contigo ao teu canto
Onde fazias as malas
Para ires viajar
Sonhei contigo a noite toda
Acordava apavorada
Por não encontrar explicação
Para esta maldição
Dei-te um abraço apertado
Recebeste-o com carinho
Mas da tua boca saia
Apenas uma palavra
Quero ficar sozinho
Preciso de paz no meu caminho
Neste sonhar das estrelas
Onde acordei a chorar
Era escura a noite fresca
Sem dormir e apensar
Fiquei sem o teu carinho.
Neste sonho 
Da terrível madrugada!
 ***
Cidália Ferreira

"Vou seguindo"


Vou seguindo o meu caminho
Sem pensar no que fazer
Na procura
Do sentido de viver
E tudo o que me dá carinho…
Sinto falta da tua luz
Que ilumina meus os passos
Não encontro nas palavras
A razão, para isto acontecer
E tudo o que quero dizer…
Sinto falta do meu eu
Até do teu elixir
Para o sol me sorrir
E continuar a viver
No meio da multidão…
Meu corpo está demente
Por se encontrar tão sozinho
Aqui, sentada no meio do nada
Vejo chegar, uma escura madrugada
Acompanhada pela lua, triste
Por não brilhar, sozinha
Continuo amargurada
Por não encontrar o caminho!
****
Cidália Ferreira

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Morrem sonhos...

Morrem sonhos, momentos, ilusões
Como sentidos de vida construída
Aterram gaivotas no mar aos milhões
Morrem sentimentos numa triste vida

Deixo que vagueie meu pensamento
Neste mar calmo onde me prendo
Olhar que não vejo, um sentimento
Que no meu coração vai roendo

Podem morrer momentos passados
Podem nas ondas chegar ilusões
Já mais serão por nós controlados
Os sentimentos e boas recordações

Morrem nas pedras alguns desejos
Que deixei para trás sem rancor
Onde apenas imaginei teus beijos
Desejo que não morre, por amor.
*** 
Cidália Ferreira


quarta-feira, 11 de junho de 2014

(Saudade's)...


Saudades
Ao recordar outros tempos, nesta praia
Crianças a correr, brinquedos, e afins
Os gritos delas, a alegria
Tudo parecia magia
As brincadeiras na areia
As refeições com stress
Parecia que não havia cansaço
Nas minhas crianças, e outras que levava
Tempos saudáveis que não voltam
Tudo parece fugir
Até a minha alegria, de continuar a viver…
Senti, que o meu tempo passou
Sentimento doutro tempo
Em que com alegria apanhava sol
Vestida, com o meu bikini
Hoje, apenas recordo com saudade...
Não o vestirei nunca mais
A minha alegria fugiu
E nesta praia
Nunca mais ninguém me viu
Por causa de uns tristes finais!
****
Cidália Ferreira.

terça-feira, 10 de junho de 2014

Foi um beijar com sabor a pouco.

(imagem da net)
Foi um beijar com sabor pouco
Num sonho meu a preto e branco
Que num mar deserto onde te ouço
A chamar por mim, em triste pranto

Acordo, desesperada com o sonho
Que feliz fiquei, quando te encontrei
Dei-te um abraço, deixei-te risonho
Momento lindo, foi, em que te beijei

Era reciproca esta nossa vontade
Dos beijos roubados em liberdade
Dados em momentos de explosão

Gosto de beijos demorados, molhados
Será a vontade dos seres apaixonados
Que sonham com momentos de paixão.
*****
Cidália Ferreira

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Corpo insano...

(Imagem da nete)
**//**
Corpo insano, estado carente,
De uma alma deprimente,
Sente o desejo,
Ao seu próprio jeito,
Ergue-se a flor de uma paixão,
Perfumada, de aroma jasmim,
A preferida de um coração,
Que se despe,
Num encanto sem fim,
Esbarrando num preconceito,
Mente insana, atrofiada,
Quando sente o desejo de amar,
E se despe assim,
Dançando, ao som da melodia,
Jardim florido,
Pele que arrepia,
A beleza dos seios, pura magia,
Não esconde nem desmente,
O complexo que ainda sente.
*****

Cidália Ferreira.

domingo, 8 de junho de 2014

Fim de tarde.


Naquele fim de tarde era tudo tão perfeito
Pensamentos em sintonia de um lindo amor  
Que era o nosso, com aquele teu belo jeito  
Trazias na mão o mais lindo botão em flor

Partilhávamos histórias de vidas diferentes
Enquanto olhamos em redor, as águas calmas
Meu corpo se perdia entre as tuas mãos quentes
E um abraço caloroso das apaixonadas almas.

Um beijo já dado que inflamou nosso desejo
A uma entrega total, de um amor que não vejo
Quando num beijar te senti, alegria no coração

Anoiteceu, solta-se o amor na mais linda varanda
Entre caricias e palavras apreciando a outra banda
Esperando a noite, para momentos nossos de paixão.

*****
Cidália Ferreira.

TENHAM UM MARAVILHOSO DOMINGO!

sábado, 7 de junho de 2014

Espero-te aqui...



Espero-te aqui…
Como quem espera um tesouro,
Em noite de luar, deslumbrante,
Brilhante, como a luz do teu olhar,
Espero por ti...
 Como espero pelo dia,
Pelo sol que nos encanta ,
Que me aquece, enlouquece,
Nesta espera tão desejosa,
Prometida,  e na esperança,
Do meu anseio, da saudade,
De saciar esta vontade,
Nesta espera que me aperta,
Com saudade do teu toque,
Abraçada ao encanto,
Do teu ar angelical,
Espero por ti…
No meu recanto, sozinha,
De braços abertos,  sentimento
Como espero pelo momento,
Em que me dás um sinal,
Do amor, do teu carinho,
Do nosso momento magistral,
Espero por ti…Aqui !
*****

Cidália Ferreira

A lua passa sem tempestade.


A lua passa sem tempestade
Sossegada como noite escura
Tem a brisa, a única verdade
Desejo, da minha alma pura

Passava brilhante cheia de luz
Como se me deixasse  recado
Com tanta beleza ela me seduz
Levando-me a cometer o pecado

Enquanto para mim a lua dançar
Ficarei rendida, com o seu brilhar
Voam pássaros ao som da melodia

Que nos seus ramos selavam o beijo
Enquanto sozinha pedia  um desejo
E esperava o amor que não aparecia.

****
Cidália Ferreira.

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Sintonias do coração...

...//...
São brancas as ondas do mar
Em espuma, divina paixão
Que nos prende a um olhar
Nelas, poder recordar
Saudades que já lá vão
E meditar em reflexão…

São carências do coração
Em que deixo vaguear
Toda a minha imaginação
De quem sente, e não desmente
Quando insiste na espera
Até à noite chegar…

Meus pensamentos flutuam
Em ondas de espuma fina
Como castelos em construção
Onde o amor que se imagina
E tudo isto são simplesmente
Sintonias do coração.
***
Cidália Ferreira

quarta-feira, 4 de junho de 2014

No silêncio de uma noite cerrada.

 **//**
No silêncio de uma noite cerrada
Desorientados, insanos, e fogosos
Dois seres ao relento da madrugada
Adormecem entre abraços amorosos

Um entrelace, e um gostoso carinho
Quando acontece no preciso momento
Com a estrela, que cruza o meu caminho
Renascia assim, um puro encantamento

No nosso silêncio onde fica a saudade
De alguns momentos da nossa liberdade
Acabamos enrolados ao som da paixão

Nesta escuridão, de um sonho de amor
Agarrada a um nada, e sentido o calor
De uma fantasia, que alegra meu coração.

***
Cidália Ferreira

terça-feira, 3 de junho de 2014

Numa noite endiabrada...

Amor…
Numa noite endiabrada,
Entusiasmados, à lareira,
Em ambiente caloroso,
Um amor puro e sincero,
Sentimento tão bonito,
Entre carinhos, afetuoso...
Nosso chão, o nosso altar,
Onde, no teu corpo eu procuro,
Bebida, para me embriagar,
Que me deixe na loucura,
Desta minha...
Estonteada, insana mente,
Perdida pelo ardor que sente,
Será o calor da lareira,
Que nos sorria, e aquecia,
O nosso amor se ouvia,
E da boca nos saia,
Em perfeita melodia,
Palavras ditas, em brincadeira,
Numa noite endiabrada
Onde o amor se sentia!

****
Cidália Ferreira


segunda-feira, 2 de junho de 2014

Eu queria!

**//**
Eu queria!

Caminhar por caminhos silenciosos, gastos
Pelos passos que amorosamente aceleram
Nas esperas longínquas que deixam rastos
Amores que deixam saudade, e desesperam

Queria, porque a espera é longa e saudosa
Para quem verdadeiramente gosta de amar
Para ti, sempre caminharei linda e formosa
Não importa a espera, para contigo brincar

Caminho na frescura dos meus pensamentos
Quero que esta espera traduza sentimentos
E em nosso peito sentir saudade do odor

Queria, caminhar lado a lado num turbilhão
Contigo, alegremente, sentir vibrar o coração
E mostrar-te que tudo o que sinto…É Amor
*****
Cidália Ferreira

domingo, 1 de junho de 2014

A minha Criança...

A Minha Criança.
****
Choramos saudades longínquas
Este é meu sentimento
Quando não consigo ouvir
A voz da minha criança
Apenas ouço o seu sorrir
Quis deus que fosse diferente
E assim sofrer a gente
Por não brincar nem “estragar”
A Bruna que é especial
Não me pede, nem me chama
Para consigo brincar
Oferece-me seus sorrisos
Mostrando assim alegria
Deixando-me envaidecida
Que apesar de estarmos longe
Nunca serei esquecida…
Pois por ser ela diferente
Será sempre uma criança
E em nós haverá esperança
De um dia a ouvir a falar
E diminuir o sofrimento
Que envolve …
A vida de uma criança.
*
"Feliz dia, para todas as Brunas Franciscas."


Avó babada: Cidália Ferreira.

Feliz dia para todas as Crianças.


....//....
Neste dia especial
Queria um mundo de esperança
Para as vidas em crescimento
São elas lindas crianças
Do futuro em movimento
São inocentes são frágeis
Nos seus olhares ternurentos
São a loucura da vida…
De quem ama, e por elas sofre
São Crianças, são amores
Elas são todas iguais
De raças, diferenças ou cores
Merecem todo o Amor
O respeito e o carinho
Pois são elas o futuro
Deste mundo tão pequenino…
Onde falta a tantas delas
A água e um simples pãozinho.
**

Feliz dia mundial da criança, hoje e sempre!

Cidália Ferreira.